A Menina Que Tinha Dons - Resenha


Quando seus sonhos se realizarem, sua realidade mudou. Você já deixou de ser a pessoa que sonhava, então mais parece um eco estranho de algo que já aconteceu há muito tempo. -Melanie 

É assim que iremos enxergar o futuro e nossos objetivos logo após de terminar de ler A Menina Que Tinha Dons.
Entraremos em contato com o mundo apocalíptico vinte anos após uma infecção por um patógeno de origem fúngica. O humano, ao ser "contaminado" com o fungo, ele aloja-se no sistema nervoso e começa a tomar decisões pelo hospedeiro. Ou seja, toma decisões por  por você, diz o que você tem que fazer. E uma dessas vontades é a incessante fome por vísceras, sangue humano. Com isso, foram nomeados de Famintos.
A história se desenvolve na Inglaterra, especificamente em Londres. O governo foi devastado, a população quase dizimada. O que restaram, foram as bases militares que inicialmente abrigavam "imunes" e um grande exercito de salvação, ou talvez uma chance de cura. Nesta base principal, existe um laboratório comandado pela Dra e pesquisadora Caroline Cadwell que desde que entende-se por gente, procura uma resposta da ação do patógeno e possivelmente uma cura. Para isso, a base militar faz missões de captura de crianças infectadas para servirem de cobaias na pesquisa da Dra Caroline. 


Entre estes cobaias está Melanie, chamada de cobaia nº 1, ela tem características muito diferentes dos famintos que estão vagando pelas ruas. Na base militar, as crianças capturadas são mantidas em celas e ao decorrer da semana elas tem aulas de línguas, matemática, ciências, história.. Como se fosse uma verdadeira escola. 
Neste ponto, conheceremos a Srta Justineau. Uma professora muito fofa e amorosa que dá aulas de ciências naturais para as crianças e tem um grande afeto por elas. Mesmo sabendo que se não estiver coberta pelo Bloqueador E (usam o bloqueador para esconder o cheiro do suor humano), essas crianças provavelmente a devoraria viva. Mas isso não importa para a Srta Justineau, elas são apenas crianças infectadas por uma mutação do fungo Ophiocordyceps unilateralis.
Só para vocês não ficarem perdidos ao ler a partir deste tópico, se formos falar cientificamente e micologicamente, esse fungo existe e, é uma variação do gênero fúngico Cordyceps sp. Esse fungo é usado no controle biológico de formigas cortadeiras em lavouras onde existem "peste" dessa formiga. O Cordyceps sp.  tem exatamente esse mecanismo de ação do patógeno do livro, após a formiga ser infectada, o fungo vai direto para o sistema nervoso da formiga fazendo com que ela suba até o ponto mais alto da planta a fim de fazer a disseminação dos esporos do fungo e contaminar outras formigas. E até mesmo, alimentar-se delas próprias. Feito isto, as estruturas do fungo começam a crescer no tegumento da formiga e acabam exteriorizando suas estruturas. Sim, é um micro-organismo extremamente inteligente. (E Lindo!).  Veremos isso claramente nas descrições dos Famintos no livro.
Dra Caroline descobre exatamente o mecanismo de ação do fungo em humanos e começa freneticamente uma dessecação em série dos "cobaias" para chegar a uma provável cura.

Em um evento catastrófico na base, Famintos conseguem romper a barreira e invadem o lugar, para fugir da exterminação, Dra Caroline, Srta Justineau, um soldado e um tenente irão lutar pela sobrevivência vagando por Londres e correndo todos os perigos imagináveis e inimagináveis até chegar a outra base militar em Beacon. Isso será um desafio, já que possuem uma Faminta a tiracolo. Talvez seja possível se salvar. Só é preciso ter fé!


Eu realmente tentei resumir o texto. Mas, em um único livro acontecem muitas coisas e garanto que o que eu escrevi por aqui não foram spoilers.
Quando você vê esse livro pela primeira vez, com o título você não tem noção do que se trata. Não gosto muito de ler sinopses, procuro saber sobre do que se trata, daí leio. Então, esse passaria bem batido para mim. Tinha outro contra: narrado em 3ª pessoa. Sim, seria um descarte para a leitura dele. Até que ao saber sobre a história e ouvir falar coisas incríveis sobre ele, decidi começar a ler.
Foi realmente bem difícil de não se apaixonar por esse livro. Eu tentei, juro! A leitura é extremamente envolvente, parece que o autor está na sua frente contando a história. O autor alterna entre personagens e com isso, o livro adquire apenas 72 capítulos. Quando notei isso, achava que o autor iria se perder, mas não! é tudo tão amarradinho, não perde detalhe de nada, quando volta para outro personagem, parece que foi daquele ponto que você parou a história. É de um seguimento incrível. 
E até o desfecho, você aprende sobre biologia de fungos, armas, pessoas, sentimentos e lealdade de uma criança que nem sabe o que realmente ela é!
O autor fez uma pesquisa muito bem feita sobre infecção fúngica e como tudo poderia acontecer se um humano realmente fosse infectado por um micro-organismo desses.
Foi tudo muito cuidado para ter um desfecho incrível. É um livro para fazer o leitor pensar.

Uma ressalva para o que me atrapalhou:
Pois bem, eu sou mestre e pesquisadora em biologia de fungos e ainda por cima, controle biológico. Sim, conheço a fundo esse fungo, apesar de não trabalhar com ele. Resultado: Acabei me prendendo aos detalhes científicos. Acho que acabei perdendo a essência dos capítulos da Dra. Caroline por ficar tentando encontrar uma resposta para tudo e além disso, ficar corrigindo algumas coisas. Quando você ler o livro, encontrará uma Caroline extremamente egoísta, que não importa-se com nada nem ninguém. Apenas quer encontrar a cura. Retrato extremamente perfeito de 90% dos pesquisadores no vasto mundo da ciência.

A cientista que existe dentro de mim foi muito crítica em relação as referências do fungo, como por exemplo: suas estruturas. Mas o autor não teria como saber, só se ele for especialista também! O que eu acho que não é o caso do M. R. Carey.
Mas, qual é a chande de um leitor ser entendido do assunto de um livro entre milhões de leitores? Mínima e quase improvável, acho! Então, isso não vai importar para você ao ler esse livro incrível.

No Instagram, dei 4 estrelas para o livro.
Hoje, após escrever essa resenha enorme, acabei por perceber que seria extremamente egoísta em tirar uma estrela de um livro maravilhoso só pelo fato do meu lado micologista falar mais alto. Não me enquadrarei no estatística da Dra Caroline. Não mesmo.


Informação adicionais do livro

Autor: M. R. Carey
Editora: Fábrica 231 - Rocco
Ano: 2014
Páginas: 381






Share this:

, , , , , , ,

COMENTÁRIOS

9 comentários:

  1. Quero muito esse livro. Vou tentar comprar no black Friday. rsrs
    beijoooooooos

    ResponderExcluir
  2. Adorei sua resenha, eu já tenho o livro e estava enrolando muito para ler, mas depois de ler tudo o que você escreveu confesso que não vejo a hora de poder pegar esse livro e "devora-lo"

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu enrolei muito também.
      Depois que comecei, foi só emoção.
      Beijos.

      Excluir
  3. Esse livro é maravilhoso, não canso de repetir que até agora foi o melhor livro lido por mim em 2015. Que bom que você também gostou. E que azar do autor encontrar uma especialista no fungo que ele escolheu, sugiro enviar um e-mail para ele e desabafar sua opinião sobre o que ele disse a respeito, assim você poderá dar 5 estrelas para esse livro maravilhoso! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maravilhoso, Le!!
      Graças a sua indicação pude ter contato com esse livro incrível.
      Já devolvi a estrela que eu tirei, sem dúvidas foi um equívoco. kkkk
      E quanto ao autor, já falei com ele e cheguei a conclusão que talvez os erros que encontrei foi ocasionado pela tradução para o pt.
      Beijos.

      Excluir
  4. Acho linda essa capa, mas a premissa nunca me ganhou. Mas adorei sua resenha, me fez ter vontade de ler.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro muito inteligente!
      Vc deveria dar uma chance.

      Excluir
  5. Olá,
    Eu entendo que nem todo mundo vai ler e ver essas referências erradas e, por mais que o autor não seja especialista, quando ele se propõe a escrever um livro o mínimo que ele deve fazer é pesquisar. Mas falando do livro em si: ele sempre me interessou.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir