A Rainha Vermelha



 - A exaustão chega em ondas. Começa nos músculos e penetra meus ossos. Sou apenas humana, e humanos não foram feitos para lidar com dias como hoje. Sobressaltada, descubro que meu punho está nu. A fita vermelha sumiu, foi retirada. O que isso significa? [...] O que eu sou? [...] Sou diferente. Diferente de todos [...] - A Rainha Vermelha, Victoria Aveyard, Págs: 87 e 153.

Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe — e Mare contra seu próprio coração.


A Rainha Vermelha, é o primeiro livro de três volumes da Série Red Queen, da autora americana Victoria Aveyard e nos traz um mundo distópico, onde a população está dividida entre sangue vermelho e sangue prateado.

Mare Barrow mora em Palafitas, Distrito de Norta, Chama do Norte. O país é governado em regime de monarquia (aquele governado por um rei, lembra, lá das aulas de história, kk), e tem como seu governante o Rei Tiberias Calore VI. O país é dividido pelo sangue, vermelhos e prateados. Sim, a cor do sangue é respectivo a descrição. Os vermelhos são os plebeus, pobres, miseráveis mesmo. Os prateados, os de alto padrão e possuem uma diferença: possuem super poderes. Manipulam água, metais, fogo e por aí vai. Por isso, os prateados acham por bem maltratar os de sangue vermelho. Na realidade, lembram do Distrito 12 de Jogos Vorazes, o mais pobre? Isso mesmo, comparei eles aos vermelhos. Os prateados, por sua vez, são divididos em casas. Casa Samus (Manipulam metais), Casa Ninfos (manipulam água), Casas Calore e Jacos (A casa da família real. Na família real temos: o Rei Tiberias VI, -viúvo da Rainha Coriane-, Rainha Elara, Príncipe Tiberias Calore VII, -Cal apenas filho do Rei- e Príncipe Maven, filho de Elara e Tiberias VI). Cal e Maven manipulam fogo, Elara, a rainha, tem poder de manipular a mente das pessoas. 

No "distrito" de Palafitas, como o nome é propício, as casas ficam as margens do rio e são elevadas. Mare mora em uma delas, possui três irmãos e uma irmã. Em Norta, se você é um vermelho e não tem nenhuma habilidade, não frequentou a escola, muito menos possui um trabalho decente, até os 18 anos será convocado para a guerra. Com os irmãos da Mare não foi diferente. Seu pai é paraplégico por conta da frente de batalha. No livro, ele já está "aposentado", a filha mais nova, Gisa, trabalha vendendo bordados e Mare, que não quer nada com a vida, vive de roubos no mercado negro.

Após ter contato com Cal, -príncipe de Norta e sucessor do Rei Tiberias VI- nas ruas de Palafitas, um belo dia ela foi convocada para trabalhar no palácio. E é a partir daí que as coisas começam a acontecer. No primeiro dia de trabalho de Mare, no palácio está acontecendo "uma seleção" da escolha de uma princesa para o príncipe herdeiro. As Casas mais famosas estão participando e cada uma delas tem uma representante para lutar pelo príncipe e cair na graça dele. Como? Exibindo seus poderes. Mare, acreditava ser uma simples vermelha, em uma das demonstrações de uma candidata prateada, ela corre um grande risco e acaba liberando o seu "talento" ou poder, como queiram chamar.  "Sou um acidente. Uma mentira. E minha vida depende simplesmente de sustentar uma ilusão." (pág: 119)

Entre os prateados não existe sentimentos, apenas sede de poder. Todo mundo pode trair todo mundo. Não existe confiança. Norta está sendo atacada por rebeldes vermelhos. Quem assina os atentados é a Guarda Escarlate. Mas isso não é novidade para o Rei Tiberias VI, só que agora, está saindo do controle. Entre manipular divulgaçôes de atentados na capital ou em distritos importantes, a descoberta dos poderes de Mare só vem a atrapalhar os planos da Rainha Elara. 


Desde o lançamento do A Rainha Vermelha pela Ed. Seguinte, eu já fiquei louca para ler por causa da capa LINDA! Não, não tinha ouvido falar em nenhum outro lugar. Então, o primeiro contato com a sinopse foi realmente após a divulgação da editora. Como é uma distopia, - é, mais uma no oceano das distopias -, eu fiquei meio receosa de não gostar, porque eu já falei inúmeras vezes aqui que preciso superar Jogos Vorazes. (desculpa distopias). E o temor não foi em vão. Se você é fã de distopias, é fã até de Crepúsculo, você vai notar as semelhanças. Parece que A Rainha Vermelha é a junção de todas as distopias existentes no mundo literário. Não que isso venha atrapalhar a leitura, ou o desenrolar da história, mas se vocês forem apegados a reter detalhes dos livros que você já leu na vida, a cada diálogo parecido com algo que já leu, vai aparecer bem claro na sua memória a cena do outro livro. 

Na foto anterior, podem ser notados vários post its. Infelizmente, todos eles foram as semelhanças que eu encontrei no decorrer da história. Temos desde o hálito extremamente doce do Edward até a seleção com a favorita, as casas de Harry Potter, a arena onde acontece as lutas.. X-Man... Uma mistura enorme!
Mas temos uma coisa que nas outras não existem: Não tem romance. Não explicitamente. 
A história toda é focada na ambição de poder, trair o próximo, maltratar os vermelhos, controlar Mare com os poderes e a Guarda Escarlate. Tem algo a ser explorado: A história da Rainha Coriane - mãe do Cal e falecida-, ela é muito citada na história e sua morte tem algo enterrado. Então, precisamos saber o que tem por trás da história dela. Há quem diga que foi assassinada, mas quem sabe de algum segredo teve a língua cortada e jamais poderá falar o que sabe. 

Eu poderia até chegar e falar que amei o livro e tudo mais. Mas, não foi isso o que aconteceu. Eu apenas gostei e EU RECOMENDO você a ler. No entanto, A Rainha Vermelha é mais do mesmo. É um país pós guerra, um país reconstruído, que ainda tem guerra acontecendo. Tem um governante onde a população está insatisfeita, querem direitos iguais. São separados em extremo luxo e extrema pobreza. E no final, alguém que saiu do lado pobre da história, vira-se contra o governo para tentar igualdade ou mudar o regime do país. No final das distopias, é sempre um ícone revolucionário lutando por uma mesma causa. Uma pena, um livro que tinha tudo para ser diferente, acabou na mesmice dos anteriores. 

Uma ressalva para o epílogo, parece que as coisas mudarão de rumo e finalmente vai engatar em algo diferente.
Agora vejamos, se no epílogo a autora deixou um suspense enorme, cadê as continuações? Acabou ali mesmo, na página 414 e teremos que esperar muito para os próximos capítulos? Não!! A continuação do A Rainha Vermelha se chama Glass Sword e está previsto para ser lançado em fevereiro de 2016. Confiram a capa.


- Também teremos mais dois contos em um único volume chamado Cruel Crown que reunirá os contos Queen Song e Steal Scars. 

Queen Song -  Neste, quem vai contar a história é a falecida Rainha Coriane. Então, teremos o que aconteceu antes do A Rainha Vermelha. Em Queen Song, A Rainha Coriane tem um diário com seus segredos escritos. Ela também irá contar como foi o namoro com o príncipe (hoje rei) e como foi ter o filho Cal e os desafios mortais da vida real. 

Ótimo a autora contar a história da Coriane, realmente se faz necessária uma explicação. Ela é muito citada no primeiro livro. Acontecimentos estão relacionados a morte dela.

Steal Scars - Agora quem conta a história é Farley, lider da Guarda Escarlate (rebeldes). A tarefa de Farley é plantar rebeliões em Norta e recrutar simpatizantes para se juntar a Guarda. Mas ela vai enfrentar um grande problema, Mare Barrow.


É aguardar até tê-los em mãos para ver o que nos reserva essa série.
Leiam, comentem, tirem as suas conclusões. 


Todo mundo pode trair todo mundo (pág: 267 ) 

Inclusive uma distopia!!!


PS: Os direitos do livro já foram adquiridos pela Universal Pictures. A produção será comandada por Benderspink (Efeito Borboleta) e Pouya Shahbazian (Divergente). O roteiro ficará a cargo de Gennifer Hutchison (Breaking Bad). Existem rumores que a Elizabeth Banks (Effie, Jogos Vorazes) estaria em negociações para dirigir o longa. [Aviso: ela arrasou na direção de Pitch Perfect 2 (A escolha perfeita 2), então...]









Share this:

, , , , , , , ,

COMENTÁRIOS

20 comentários:

  1. Aline que bela resenha! Nem preciso mais ler o livro, você já me explicou tudinho e sem spoiler. Vou esperar a continuação para não sofrer tanto aguardando até fevereiro. Tem um pouco de Revenge aí nesse livro também neh? "Todo mundo pode trair todo mundo" na série o povo é assim kkkk
    Enfim, aguardarei o próximo livro e amei as fotos!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. owww, Obrigada!!!
      ahahh, precisa ler sim. Só falei metade das coisas, kkkkkk. O poder da Mare é bem legal. Então, leia!!
      Pois é, Le. Melhor esperar mesmo.
      Tem um pouco de tudo nesse livro. Não associei a Revenge pq nunca vi a série, mas deve ter também. kkkkkkk

      Excluir
  2. Aline, eu amei esse livro. Tem semelhanças com algumas distopias sim, mas sei lá... Criei uma simpatia enorme pela história. Estou super ansiosa pela continuação <3

    Amei a resenha viu?

    Bjoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tamyres!
      Eu gostei dele. Só associei demais e minha impressão a cada semelhança era: Já li isso em algum lugar.
      Obrigada!!
      Beijão.

      Excluir
  3. Oi Aline, eu tive um caso de amor por este livro, estou muito ansiosa para a continuação, e sinceramente as semelhanças eu achei bem poucas com as que tem por ai. Parabéns pela resenha. beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei. Mas parei por aí no sentimento, kkk. Tbm estou ansiosa pela continuação. Acho que vai ser o engate da história.
      Obrigada, Beijos.

      Excluir
  4. Realmente é uma bela resenha. Todos estão falando deste livro, e isso faz com que eu me empolgue cada vez mais para ler. mal vejo a hora de ter o meu próprio exemplar e me aventurar nessa maravilhosa história, e acredito que, NÃO irei me decepcionar. Quero ler antes do filme, ou então, do lançamento do segundo livro, que por falar nisso, tem uma capa também maravilhosa. Só posso dizer que esse post ficou maravilhoso e suas fotos? Nem se fala nisso. Maravilhosas. Amei amei amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, você NÃO vai se decepcionar. Eu só criei expectativas demais. Expectativas são horríveis, né? Eu acho. kkkkkkk
      Os exemplares são lindos. Posso dizer que foi amor a primeira vista da capa.
      Obrigada!!!
      Beijos

      Excluir
  5. Pois é Aline. Enxerguei o mesmo que você... de tudo um pouco, e um grande nada de novo!
    De qualquer modo, não sei o que houve, mas ainda assim quero super continuar a leitura dessa série, sabe? Acho que rolou uma hipnose, não sei!
    Bela resenha!
    Bjs*.*
    MaH

    O que disse, Alice?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bemmm!!! kkkkkk
      Eu também quero continuar a leitura. Acho que o próximo vai dar uma guinada enorme.
      Obrigada.
      Beijos!

      Excluir
  6. Olá!
    Eu não sou muito fã de distopias, mas essa é uma que me chama a atenção. Por não ter o costume de ler livros do gênero, acredito que não vá ser mais do mesmo para mim, sabe? Acho que vou gostar da leitura (espero).
    Ótima resenha!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai gostar sim!!
      É um bom livro. Tem coisas interessantes tbm. Acredito que o 2º será bemmm melhor. Beijos e obrigada <3

      Excluir
  7. "Tem um governante onde a população está insatisfeita, querem direitos iguais. São separados em extremo luxo e extrema pobreza. E no final, alguém que saiu do lado pobre da história, vira-se contra o governo para tentar igualdade ou mudar o regime do país."

    Hahahaha desculpe, distopias! :P

    Me pareceu um ótimo exemplar do gênero, mas confesso que fiquei mais empolgada em saber da Liz Banks cogitada para a direção da adaptação! Aí sim haha! Ótima resenha! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkk, só tu mesmo amiga!
      É legal, sério mesmo. Só é tudo culpa das semelhanças com as outras e o mesmo objetivo. Derrubar o governo e mudar a vida dos pobres. >.<
      Ahh Banks, nem fala. Se for a Elisabeth, ELA VAI ARRASAR!

      Excluir
  8. Esqueci de compartilhar o meu descontentamento quanto ao fato de não ter romance na trama. Victoria, querida, melhore. Não é por 20 centavos, porém por mais amor romântico nessas nossas vidas haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkk, morta. Tem um aparente triângulo amoroso. Mas para no aparente.
      Melhore, Victoria. MAs no 2º livro terá. CERTEZA.

      Excluir
  9. Adorei!
    Sim, sua resenha foi ótima e me mostrou o porque muitos amaram e muitos não gostaram desse livro.
    Eu sinceramente estava mais empolgada com a leitura, mas sim pretendo ler.
    Fiquei feliz por saber que teremos adaptação, apesar de nunca serem tão boas, eu adoro elas rs
    Beijos
    Dri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hihihi. É relação de amor e ódio.
      Leia pra gente comentar.

      Excluir
  10. Ola Line, tenho que dizer que amei sua resenha! Ja li esse livro e anseio pelo proximo! Amo suas resenhas!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kah! Que bom que gostou. :)
      Pois é. Preciso do próximo. kkkkk

      Excluir